ACESA - Associação Cultural e Esportiva de Santana
  PÁGINA PRINCIPAL ::     BUSCA  
 
 
 
========MENU=========
Diretoria
Histórico da Associação
Departamentos
AGENDA 2009
LOCALIZAÇÃO
 
======ATIVIDADES======
Nihongakko
Curso de Shodô/Soroban
Karaoke
Coral ACESA
Tenis de Mesa
Yosakoi Soran
Lian Gong
 
===CURIOSIDADES===
Sakura (Cerejeira)
Yakissoba
 
==GALERIA DE FOTOS===
Festa de Confraternização
18o.Festival de Yakissoba
Carnaval 2009
 
=== AREA RESTRITA ===
Gerenciar Email
 
 

 ::Enquete::

Como você conheceu o ACESA?
Pelo ACESAnet
Aulas de nihongako, karaokê, tenis de mesa, etc
Indicação de amigos
Moro próximo a associação
Outra resposta
 
Resultado Parcial
Enquetes Anteriores
 
 
 
Sakura (Cerejeira)

 

Sakurá

As flores de cerejeira só florescem uma vez ao ano e dura cerca de uma semana. Sua floração marca o início da primavera e fim do inverno.

Sakurá (cerejeira), pode ser escrito em kanji ( ou ) ou em hiragana , a flor nacional do Japão, é símbolo de felicidade: é na época de seu florescimento que as crianças iniciam o ano escolar, que os recém formados saem em busca de trabalho.
O chá de pétalas de sakurá é utilizado em rituais como casamentos e ocasiões festivas.
Na época de seu florescimento, são realizadas as festas chamadas de “hanami” -  (ver as flores), ao ar livre, debaixo das cerejeiras em flor.

Singela e efêmera, a flor sakurá também tem seu lado trágico. Para os antigos samurais não havia glória maior do que morrer num campo de batalha coberto de pétalas de cerejeira. No teatro Kabuki, esse cenário indica que haverá um movimento do vilão ou acontecerá uma tragédia.

Estima-se que, no Japão, existam perto de 200 espécies de cerejeiras, com flores que vão do vermelho ao branco, passando pelo rosa e pêssego.
No Brasil, poucas variedades de cerejeira conseguiram se desenvolver devido às variações climáticas. Por volta da década de 70 começaram as tentativas em várias localidades do Estado de São Paulo, em geral realizadas por imigrantes japoneses, para produção de mudas.

Algumas dessas experiências deram certo e o fato é que, a partir dos anos 80 passaram a ser vendidas as mudas de cerejeiras e seu plantio se espalhou por diversos locais. A variedade de sakurá que mais se adaptou foi a “okinawa sakurá” (cerejeira de Okinawa, ilha que tem as mesmas características climáticas do Brasil). Em muitos cidades e entidades nipo-brasileiras, foram plantadas grande quantidade de pés de sakurá e a época de florescimento transforma-se num verdadeiro espetáculo da natureza no período de julho a setembro. Em geral, nesses locais tem sido organizados festivais japoneses.
 
Tudo começou…
Conta a lenda que uma princesa desceu dos céus e aterrissou em uma cerejeira. Acredita-se então que o nome sakurá, na verdade, é derivado do nome da princesa Konohana Sakuya Hime, que significa “a princesa da árvore de flores abertas”. Outros dizem que o nome da planta tem sua origem no cultivo de arroz e sua divindade (Sa). A segunda parte do nome, kura, faria referência à sua morada.
 
Hanami
Foi no Periodo Heian (794-1191) que os japoneses, influenciados pela cultura chinesa, incluíram em suas tradições a prática de apreciar o florescimento das cerejeiras.
Eles se reúnem em grupos e passam horas observando as belas paisagens que a primavera traz.
E todo ano a Agência  Japonesa de Meteorologia e o público segue o sakura zensen, a rota de florescimento do sakurá, que inicia em Okinawa em Janeiro e alcança Kyoto e Tokyo no final de março e inicil de Abril, chegando em Hokkaido algumas semanas depois.
 
Mil e uma utilidades
A flor de cerejeira nasceu como representante da aristocracia japonesa e, portanto, sua única missão é ser bonita. Mas ela tem outras utilidades: apesar de não dar frutos, a madeira da árvore é utilizada na produção de móveis e blocos para impressão de ukiyo-ê dos séculos 16 e 17. Até as flores são utilizadas e, depois de ficarem em conserva no sal, se transformam em um chá, o sakura-yu, usado nas festas de casamento para pedir felicidade ao novo casal.
 
Sabor especial
A primavera inspira também o cardápio japonês. Doces, bebidas e alguns pratos ganham o toque das flores no formato e no sabor. São comuns docinhos simples, feitos de açúcar, em formato de sakura. O tradicional bolinho de massa de arroz, quando enrolado na folha da cerejeira, vira o sakura-mochi . Outras flores, como uma espécie comestível de crisântemo, também dão colorido aos pratos.
 
 
ASSOCIAÇÕES

Parque Estadual Alberto Lögfren (Horto Florestal) - Rua do Horto, 931, Horto Florestal, São Paulo, SP. Informações: 2231-8555 ramal: 2116 (Bucci)    ramal: 2028 (Marta). Uma vez por ano realiza a Festa das Cerejeiras no local para a divulgação e comemoração da florada.
 
Associação das Cerejeiras do Parque do Carmo - Endereço para correspondência. Rua Serra de Botucatu, 2627 – Apto 142D – Vila Carrão – 03417-000 – S. Paulo – Tel.: (011) 6191-0470/ 9990-5341. Atende em horário comercial. Tem como objetivo cuidar das cerejeiras existentes no Parque do Carmo. Uma vez por ano realiza a Festa das Cerejeiras no local para a divulgação e comemoração da florada.
 
Carpalândia - Rodovia Fernão Dias, km 31 - Bairro do Tanque - 12940-000 - Atibaia – SP Caixa Postal 255 - Tel.: 7876-1121 – Fax.: 7876-101. Atende sábado e domingo das 9 às 17 h. Paga-se taxa para visitação. Oferece área para piquenique, restaurante, além de tanques para exposição de carpas e área de cerejeiras. Vendem-se mudas de cerejeiras.
 
 
Fonte:
Nikkeypedia – a enciclopédia da comunidade Nikkey -  http://www.nikkeypedia.org.br/index.php/Sakura
Fundação Japão, São Paulo, SP - www.fjsp.org.br
Jornal Tudo Bem em 20/03/2005
 
 
 
 
 
 Voltar
Esse site foi acessado 3908220 vezes desde Agosto/2008
Associação Cultural e Esportiva de Santana - ACESA
Rua José Dantas Magalhães Gloria, 179 -Alto do Mandaqui - São Paulo - SP
Telefone : (11) 2231 6713